22 Jul 2014

   
Quando Começa a Terceira Idade?

Brasil Medicina.com

O amanhã começou ontem
Quando começa a terceira idade? Difícil dizer. Mesmo porque a idade está na cuca. Assim como uma pessoa de 20 anos pode ser considerada velha de espírito, um idoso muitas vezes pode esbanjar vitalidade. Recentemente, a espetacular Dercy Gonçalves , do alto dos seus 92 anos , deu um show de sabedoria. Ao encerrar seu programa semanal de TV, a comediante garantiu que a juventude é bonita, mas muito mais bonita é a velhice, que acumula a intensidade da vida.
Talvez seja por esse motivo que o público mais jovem, saturado pela repetição dos ritmos veiculados nas rádios , esteja se voltando cada vez mais para os ídolos do passado, reavaliando sua importância cultural. Não há nada mais gratificante do que ver a confraternização de pessoas de idades diferentes nas rodas de chorinho ou nos eventos culturais da cidade. O carinho que vem sendo manifestado por novos artistas aos talentos das velhas -guardas das escolas de samba exemplifica bem a riqueza cultural do encontro de gerações .
Esse é um sinal muito significativo porque reafirma a importância da memória e demonstra como ela pode iluminar o caminho dos mais jovens . A admiração pelos artistas tarimbados aponta para o amadurecimento cultural da juventude carioca, além de ser uma prova do quanto temos que aprender com a terceira idade. Até porque o amanhã começou ontem.

Quando começa a Terceira-Idade e quando termina?...
Estas perguntas não são fáceis de responder, pois a vida é um complexo processo de subtis e constantes alterações .
Na nossa sociedade, as modificações que caracterizam a meia-idade surgem por volta dos 50/60 anos .
Ao atingirmos a meia-idade, na maioria dos casos , os homens alcançaram já um certo grau de realização na sua actividade profissional e começam a ter uma ideia dos objectivos que podem alcançar no futuro.
Para a maior parte das mulheres , esse período significa que a dependência dos filhos pequenos ou adolescentes foi ou irá, em breve, ser suplantada pelos problemas específicos de adultos já relativamente independentes .
À medida que avançamos na meia-idade, começamos a dirigir a nossa atenção para a reforma, no que esta representa de maiores disponi-bilidades de tempo e de poss íveis problemas financeiros , bem como a fazer o balanço daquilo que conse-guimos realizar na vida.
Na meia-idade começam também a surgir as primeiras alterações de ordem física, através de sinais exteriores bem vis íveis , como as rugas e a obesidade, podendo ainda manifestarem-se novas afecções , muitas vezes prolongadas , tais como a arterite, o glaucoma, e as doenças cardiovasculares e outras enfer-midades , que numa idade menos avançada poderiam ser tratadas , tornando-se agora difíceis de curar.
Devido à nossa tendência de acentuar a importância da juventude, esquecemo-nos frequentemente que a meia-idade, como qualquer outro período da vida, é também dinâmica, e oferece novas possibilidades , sendo por isso fundamental que envidemos todos os esforços no sentido de mantermos uma boa forma física e ps íquica...
...Não podemos nem devemos olvidar que na nossa idade, a riqueza da experiência adquirida através dos anos vividos é algo que nenhuma força do mundo nos poderá tirar. E essa riqueza de experiência adquirida s ó terá o seu término quando nos colocarmos num estado de inércia que nos arrastará indubitavelmente para o tédio e solidão profundos .

António Virgílio Silva Tavares

 
Copyright © 2001-2014
Textos com reprodução autorizada
desde que citada a fonte

Quem somos  |  Nosso Staff Médico  |  Pesquisa de Opinião  |  Monitoramento via Web
Editorial da semana  |  Conteúdo em destaque  |  Notícia em foco  |  Ponto de vista